RECEBA AS NOVIDADES

ENTRE EM CONTATO

Caso você tenha alguma dúvida, sugestão, contribuição, crítica e/ou queira saber como participar do site é só nos mandar um e-mail ou deixar um comentário. Mandar e-mail

ARQUIVOS DO SITE

NOTÍCIAS ON LINE


TED Pavan Sukhdev: Ponha valor na natureza

Quinta, 01 de março de 2012
Todos os dias usamos materiais da Terra sem pensar e de graça. Mas se tivéssemos que pagar por seu valor real, isso nos faria mais cuidadosos sobre o que usamos e gastamos? Pense em Pavan Sukhdev como um banqueiro da natureza, que avalia as riquezas naturais da Terra e mensura valores para cada elemento natural. Nesta palestra do TED Global, ele apresenta gráficos reveladores que te farão pensar de uma forma diferente sobre o custo do ar, água, árvores e outros seres do planeta.

“Estou aqui para falar para vocês sobre a invisibilidade econômica da natureza A má notícia é que o setor de cobrança da Mãe Natureza ainda não funciona, então as faturas não são emitidas. Mas precisamos fazer algo sobre este problema”, diz o palestrante, que faz parte do projeto TEEB, criado em 2007 para medir o quanto de capital natural estava sendo perdido (na ordem de dois a três trilhões de dólares) e o que pode ser feito para frear isso.

Ao longo da palestra, Sukhdev cita exemplos de invisibilidade econômica da natureza, como as chuvas geradas pela floresta amazônica que mantêm a agricultura de países como Uruguai, Paraguai, Argentina e Brasil, sem receber nada em troca, ou ainda a polinização feita por insetos como as abelhas, responsável por 8% do total da produção agrícola mundial.

“A invisibilidade econômica da natureza não pode continuar, porque incentivo e desincentivo econômicos são muito poderosos. Economia tornou-se a moeda das políticas públicas. E a menos que tratemos dessa invisibilidade, teremos os resultados que nós vemos agora, que são a perda e degradação progressiva desse valioso bem natural.” - Pavan Sukhdev.
Para o palestrante, essa falta de preocupação com os recursos naturais acontece por causa de uma inabilidade dos homens de perceber a diferença entre benefícios públicos e lucros privados. “Nós constantemente tendemos a ignorar a riqueza pública simplesmente porque é uma riqueza comum, são bens comuns”, diz ao citar o exemplo de um mangue na Tailândia que, utilizado como fazenda da camarão valeria 16 vezes mais do que se mantido intacto. Porém, ao incluir os custos de recuperação da área degradada e benefícios naturais do mangue, a diferença é invertida para a casa dos 200%.

“Eu penso que a primeira coisa a fazer é reconhecer o capital natural. Basicamente a matéria da vida é o capital natural, e precisamos reconhecer e criar isso em nossos sistemas. Quando medimos o PIB como índice de performance econômica em nível nacional, não incluímos nossa maior riqueza em termos de país. Quando medimos performances corporativas, não incluímos nosso impacto na natureza e o que nosso negócio custa à sociedade. Isso tem que parar.” - Pavan Sukhdev.
Assista abaixo à palestra na íntegra (para ver com legenda em português, selecione a opção ao lado do play!

Fonte: Portal EcoD

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixa aqui seu comentário!

PESQUISA RÁPIDA NO SITE

Entenda as mudanças do Código Florestal

Vale a pena “ser” verde?

De forma reducionista, “ser” verde significa ter suas instalações, processos construtivos, operações, equipamentos, insumos, produtos e serviços “verdes”, ou seja, que reduzem o impacto no meio ambiente e na saúde das pessoas quando comparados com os produtos e serviços similares utilizados para a mesma finalidade de fornecedores “verdes”.

Saiba mais...

CONSUMO CONSCIENTE

Colabore fazendo sua parte!

Este espaço é voltado para o leitor consciente, onde é apresentado exemplos de ações que possam ser utilizados no dia-a-dia, tendo o objetivo de preservar os recursos naturais.

INDICAÇÕES DE LIVROS

Um local onde você pode buscar autores da área de Meio Ambiente, Cultura e áreas afins.

Conheça o nosso acervo...


SEGUIDORES

COMENTÁRIOS RECENTES

SITES SOBRE MEIO AMBIENTE

 

© 2009 - 2011 - - todos os direitos reservados ao Meio Ambiente e Cultura